quinta-feira, 11 de março de 2010

Aspen: O irmão Sol

Ainda que as trevas avancem, jamais alcançarão a luz

Aspen é um Shadar-Kai, nascido e treinado segundo os preceitos de sua ambiciosa deusa, Raven Queen. Tornou-se um guerreiro a fim de aumentar os domínios da deusa, era feroz em combate mas, não era um dos melhores guerreiros. Em uma de suas empreitadas, enquanto combatia com exércitos de elfos vindos do sul foi ferido na perna, uma ferida grave mas, não mortal.


A guerra acabou. Aspen, ferido, foi deixado na floresta. Naqueles momentos só pedia a sua deusa para que tivesse uma morte tranquila, que um elfo o encontrasse logo e terminasse o serviço. Infelizmente suas preces não foram ouvidas, e a ferida infeccionou e ele experimentaria uma morte lenta e dolorosa por infecção. O clima quente e úmido da selva não ajudava em nada, a guerra foi tão feroz que havia afugentado até mesmo os grandes predadores. A sua perna já havia sido dominada pela infecção e apenas atrapalhava seu avanço, enquanto o cheiro das pústulas o impediam de dormir. Pensou em cortá-la mas, todas as suas juntas doiam e não podia mais manejar a espada. Foram dias, semanas ou meses ele jamais poderá dizer apenas se lembra do momento em que tudo parou de doer, suas vistas se embaçavam, quando viu alguém se aproximar.

Acordou, uma forte luz invadiu seus olhos, paredes de mármore branco e lençóis limpos. Ao seu lado um criado-mudo em marfim, com uma pequena caixa colocado sobre ele. Ao lado da cama um homem de cabeça rapada e vestes brancas falou com um sorriso nos lábios:

-Acordaste, peregrino das trevas ! Que bom que é feito de matéria mais forte que as brumas.

Levantou-se de sobressalto, reconheceu o amuleto do homem, estava em um templo do deus de Pelor !! Tentou-se mover mas, não havia recuperado a força nas pernas e só consegui rolar na cama. - Acalme-se, jovem se o quisesse morto já estaria a muito. Pegue a sua caixa ao lado. - Disse o homem.


Sem entender muito o que havia escutado, pegou a caixa e a abriu.-Está vazia- disse. O homem a tomou de suas mãos, tampou-a e disse. -Não; não está. Essa caixa é como você, as trevas a preenchem, ainda que esteja cercada de luz; mas, se você abrir uma pequena fresta...

Mais alguns dias se passaram, sua perna estava melhor. Disse ao homem que ele deveria soltá-lo pois, não trairia seu povo. - Soltar - disse o homem - Você nunca esteve preso, se algo o mantêm preso é você mesmo, continua fechado em sua caixa ? - Se sua luz é tão poderosa assim, porque não invade a caixa ?! - Desafiou-o. - Invadir ? Veja este lugar meu rapaz, está todo iluminado e mesmo assim sua caixa permanece na escuridão, a luz não invade, ela tem que ser convidada, para então dispersar as sombras. - Mostre-me então do que é capaz. - Disse ao homem. - Olhem só, acho que já vejo uma fresta - O homem respondeu.

Começou-se então o treinamento na doutrina de Pelor. Se a infecção havia castigado seu corpo, esse treinamento estrassalhou seu ser. Tudo o que havia aprendido estava errado, toda sua concepção de mundo precisava ser mudada.

Após alguns anos, estava pronto. Um soldado de Pelor, levaria sua vontade, e sua fé para os lugares onde antes havia trilhado como uma sombra. Nesse momento lembrou-se que não sabia sequer o nome daquele homem que o havia ajudado e foi procurá-lo.

Encontrou-o anoite, na floresta com a caixa, que havia estado o tempo todo sobre o criado nas mãos. - Vejo que a guardou durante todo esse tempo - Disse ao velho. - E ela continua nas sombras. - Lembre-se que essa é a sua caixa rapaz - Disse o velho enquanto a abria. E para a surpresa de Aspen um brilho intenso encheu o lugar. O velho colocou sua mão dentro da caixa e retirou um símbolo de Pelor. - Olhem só ! - Disse o velho - Ela continua cheia mas, agora de luz, se antes você tinha que deixar a luz entrar, agora deve levá-la para todos, nunca deixe que sua caixa se feche de novo. Essa é a sua missão - Disse enquanto entregava o símbolo para Aspen. Virou-se e começou a andar em direção a floresta. - Ei, velho diga seu nome, para que eu possa contar a minha história. - Gritou Aspen - Jovem tolo ! - respondeu o velho - Assim como a caixa não é importante mas, sim o que ela carrega, o nome do mensageiro pouco importa mas, sim sua mensagem. - Depois disso entrou na mata e sumiu.

Um pária, caçador de sua própria gente e, principalmente, um símbolo de fraqueza entre os que idolatram a Raven Queen. Aspen conhece bem o mundo das sombras e não tem medo de trilhá-lo levando a sua luz e sua mensagem a todos.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ara o mundo cinza e amorfo do Zucatto tem uns 4 NPCs: o gnomo, Borrich, Vimes e o Hallowmark, to inventando mais alguns.

    Logo. logo Tenure a irmã Lua

    ResponderExcluir