quinta-feira, 31 de março de 2011

O Demônio de Midas

Estou Rolando uma campanha de 4d&d com um clima de terror, baseada na Divina Comédia. E tive a ideia de utilizar uma figura histórica e transformá-la em um monstro. Obviamente irei corromper a história original para adequá-la a minha temática.

HISTÓRICO
Midas foi um grande cavaleiro e através de anos de aventuras havia conseguido juntar uma grande fortuna, resolveu então se aposentar, construiu um grande castelo casou-se, teve uma filha e continuou a vida como um grande monarca.

Tudo ia bem até que um dia o sábio da corte chegou com um antigo pergaminho, segundo ele haveria um artefato, um rosário, quem entoasse seus cânticos teria um desejo realizado, após isso as contas se desprendiam e viravam pó. Midas não pensou duas vezes reavivou seus tempos de aventureiro e saiu para a caçada.

Retornou vitorioso e ordenou que fosse organizada uma grande cerimônia, reuniu a corte para que todos vissem seu desejo. Entoou os cânticos e um grande demônio apareceu, não se tratava de um rosário mas sim um grilhão que prendia a criatura. Mesmo assim Midas não se intimidou e fez seu pedido: “Que tudo que eu toque se transforme em ouro”. O demônio sorriu “Que assim seja” e se desfez em uma tempestade púrpura.

Qual não foi a surpresa de Midas que ao se apoiar para se levantar o altar se transformou em ouro. Ele sorriu contente, voltou-se para trás e viu sua filha chorando desesperadamente, provavelmente em pânico após ver um demônio, resolveu confortá-la. Eis que ao tocá-la... a menina se transformou em uma estatua de ouro puro! Midas entrou em pânico correu até o sábio agarrou-o e... Droga! Outra estátua. A corte fugiu em desespero, afinal ninguém queria ser o próximo a ser tocado pelo rei.

Sozinho em seu castelo Midas pediu clemência aos deuses, que eles esquecessem seu pedido. Nada adiantou. Os dias passaram e sua fome só aumentava, pois, toda a comida que tocava se transformava em ouro. Sozinho, louco e faminto Midas resolveu por fim ao seu tormento. Uma espada certeira pôs fim ao seu sofrimento.

Ledo engano. Faminto, suicida e avarento, dizem que demoraram a decidir em que lugar do inferno jogá-lo. Ele foi jogado onde estão os avarentos. E como todos, está acorrentado a sua riqueza, e Midas era rico, muito rico, suas correntes são longas e pesadas e impedem que ele saia de sua sala, onde sua corte e sua filha transformados em ouro contemplam seu sofrimento. Ele continua faminto e nem mesmo os demônios se aproximam temendo o seu toque.

APARÊNCIA
Embora fosse um homem grande e altivo, Midas foi lançado no inferno em sua verdadeira forma, um homem pequeno e mesquinho. Ele mede 1,3m, mas seus braços se estendem além de sua altura com as mãos enormes. Centenas de correntes estão presas em sua pele, prendendo-o em vários pontos da sala. A cada passo sua pele se rasga retesada pelas correntes, quando alguma se solta ela logo se recompõe prendendo-se em outro lugar, a ferida se fecha não sem antes provocar uma dor tremenda. Extremamente magro, seu estômago pode ser ouvido por todo lugar, sendo o único companheiro de Midas além do tilintar de suas correntes.




Nenhum comentário:

Postar um comentário